Museu da Cana-de-Açúcar será o 1º do mundo sobre o ciclo econômico

Com previsão para ser inaugurado no início de 2016, o Museu da Cana-de-Açúcar, que vai ocupar três barracões do Engenho Central, em Piracicaba (SP), será o primeiro no mundo sobre o ciclo econômico canavieiro, de acordo com os responsáveis pelo projeto. A iniciativa foi aprovada em 2010, mas as obras de restauro dos espaços iniciaram este abril deste ano. Já os projetos paisagístico e arqueológico foram aplicados em junho de 2013.
De acordo com o diretor do Instituto Brasil Leitor (IBL), William Nacked, um dos responsáveis pelo museu, o espaço irá resgatar a origem da cana-de-açúcar no país. “Vamos atrás da primeira semente, mostrar como tudo começou para podermos projetar qual será o futuro deste setor”, afirmou o diretor. “Nosso norte é a teoria do arco e flecha, que representa que, quanto mais para trás nós formos, mais longe poderemos chegar”, disse Nacked.
Engenho Central
“Não existia lugar melhor para fazer o museu do que o Engenho Central, que foi onde a produção canavieira deu um salto em questões de tecnologia e de mão de obra, já que foi a primeira a ter trabalhadores assalariados”, afirmou o diretor sobre a escolha do local. Segundo ele, a intenção é transformar o museu em uma referência internacional sobre o assunto e promover eventos.
Segundo Nacked, a intenção do museu de Piracicaba é reunir todas as histórias espalhadas pelo Brasil, de todas as famílias. “Existem vários memoriais de famílias que trabalhavam com a cana, mas nós vamos reunir todas essas histórias, todos estes atores responsáveis pelo desenvolvimento do ciclo econômico”, explicou.
História e público-alvo
“Aliado à história dessas família, contaremos a história do Brasil sob a ótima do ciclo da cana. Precisamos alertar a sociedade para o resgate de todos os ciclos econômicos, não só da cana”, afirmou Nacked, que acredita ainda que as gerações atuais precisam conhecer a história da cana-de-açúcar de maneira aprofundada, além do que a escola ensina.
Também segundo o diretor, os principais públicos que o museu busca atrair são os estudantes, os profissionais da área para conferências e, principalmente, o público internacional, além dos turistas da cidade.

Fonte: G1