Biomassa da cana representa 62% de toda a cogeração feita no País

62% é quanto representa a cogeração da biomassa da cana-de-açúcar de todo o volume cogerado no País.

Em resumo, a cogeração existente no País é de 18,5 gigawatts (GW).

A biomassa da cana supera o gás natural, que representa 17% da cogeração existente.

Por sua vez, o licor negro totaliza 14% da cogeração.

As informações refletem a produção em julho de 201 e são do DataCogen.

O que é DataCogen?

DataCogen é relatório mensal produzido pela Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen).

Segundo o relatório, o único projeto adicionado em julho foi de cogeração a partir do biogás de resíduos sólidos.

Esse projeto foi implantado em Seropédica (RJ).

E resultou em um acréscimo de 18 MW.

O incremento total em 2019 foi de 142,2 MW.

De acordo com o DataCogen, 75 MW correspondem a ampliações de capacidade instalada.

Em 2018, o incremento total foi de 215,5 MW.

“No setor, podemos ter incremento caso o Ministério de Minas e Energia acolha proposta para alterar a portaria 564/2014”, afirma o presidente da Cogen, Newton Duarte.

A portaria, diz, possibilita que uma ampliação de garantia física declarada passe a valer de imediato, nesse primeiro ano, pelas usinas que tiveram ganho de eficiência.

Outrossim, ou que tenham capacidade de comprar bagaço adicional de cana.

Leia tambémMasterCana abre semana da Fenasucro premiando Usinas e Personalidades do Ano

Geração pode ser impulsionada em 10%

A proposta foi apresentada em maio pela Cogen em conjunto com a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) e Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

Aliás, a estimativa é que a alteração na portaria poderia impulsionar a geração em até 10% no período da safra (de abril a novembro).

Por sua vez, isso contribuiria para a poupança de cerca de dois pontos percentuais dos reservatórios das hidrelétricas no Sudeste/Centro-Oeste na temporada mais seca.

“De seu lado, esse mecanismo já foi utilizado e a Agência Nacional de Energia Elétrica e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica veem com naturalidade.”

“Hoje, com a judicialização do GSF, não há sentido que as usinas invistam em comprar bagaço para gerar além da garantia física”, emenda.

Enfim, isso ocorre uma vez que elas precisam vender o excedente pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) e não vêm recebendo esses valores.

Fonte: Jorna da Cana